quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Apascenta

"Apascenta as minhas ovelhas." — Jesus. (JOÃO, capítulo 21, versículo 17.) 
Significativo é o apelo do Divino Pastor ao coração amoroso de Simão Pedro para que lhe continuasse o apostolado. Observando na Humanidade o seu imenso rebanho, Jesus não recomenda medidas drásticas em favor da disciplina compulsória. Nem gritos, nem xingamentos. Nem cadeia, nem forca. Nem chicote, nem vara. Nem castigo, nem imposição. Nem abandono aos infelizes, nem flagelação aos transviados. Nem lamentação, nem desespero. Pedro, apascenta as minhas ovelhas!” Isso equivale a dizer: — Irmão, sustenta os companheiros mais necessitados que tu mesmo. Não te desanimes perante a rebeldia, nem condenes o erro, do qual a lição benéfica surgirá depois. Ajuda ao próximo, ao invés de vergastá-lo. Educa sempre. Revela-te por trabalhador fiel. Sê exigente para contigo mesmo e ampara os corações enfermiços e frágeis que te acompanham os passos. Se plantares o bem, o tempo se incumbirá da germinação, do desenvolvimento, da florescência e da frutificação, no instante oportuno. Não analises, destruindo. O inexperiente de hoje pode ser o mentor de amanhã. Alimenta a “boa parte” do teu irmão e segue para diante. A vida converterá o mal em detritos e o Senhor fará o resto.
("Fonte Viva", Emmanuel/Chico Xavier)

Nenhum comentário:

Postar um comentário